Archive for the ‘Comunicados’ Category

Na defesa do nosso património

Petróglifo do Pedroso (Compostela, Galiza). Foto: Leon F Cabeiro (CC) BY 2.0

Nasce a Rede do Património Cultural Galego, um projecto colaborativo de mais de 50 entidades (entre elas já a IDG) que procura a coordenação e apoio mútuo na defesa do dito património nacional.

É certo que uma das eivas habituais no tecido associativo popular galego, vital e dinâmico por uma parte, é a sua fragmentação e dispersão por outra. Porém, os resultados das entidades “muito louvados nas suas áreas de acção, não sempre transcendem nem são avondo visíveis a nível galego […] É preciso dota-las dum instrumento que lhes permita operar naqueles ámbitos administrativos […] que são de difícil acesso“.

Assim, sem perda da sua total independência e continuando o trabalho até o de agora realizado, a Rede visará facilitar a intercomunicação e coordenar esforços perante a destruição diária do nosso legado cultural.

Com ecos do que no seu momento foi para nós o Projecto Nemeton, ou nas linhas estabelecidas na Defesa do Sagrado, a Irmandade Druídica Galaica tentará sempre contribuir positivamente nesta nova casa comum ao pê de, entre outras, a As. ecoloxista ADEGA, A.C. Colectivo A Rula, Mariña Patrimonio, Sociedade Antropolóxica Galega, A.C. Cultura do País, os portais patrimoniogalego.net e Historia de Galicia, As. para a Defensa do Patrimonio Cultural Galego, C.S. Gentalha Do Pichel, etc. Foram elas as que encetaram o caminho há já vários meses e que agora vê a luz.

Reproduzimos literalmente a continuação a primeira declaração conjunta, onde se convida outras entidades afins à participação:

  1. O território galego concentra umha ingente quantidade de bens culturais materiais e imateriais. Som o legado da intensa ocupaçom e uso do território por comunidades humanas desde o princípio dos tempos e a testemunha viva e real das bases da cultura e identidade do nosso país, herdança que queremos preservar.

  2. Este legado constitui, na atualidade, umha enorme fonte de riqueza de muitos tipos: humana, social, cultural e económica. Junto à sua preservaçom como dever por parte das geraçons que se consideram herdeiras desse legado para o futuro, a sua dinamizaçom abre novas oportunidades à nossa sociedade en numerosos âmbitos, constituindo-se como umha das fontes de riqueza com mais possibilidades e, ao mesmo tempo, mais sustentável no nosso território.

  3. Na Galiza existem numerosos movimentos culturais cidadans que exercem umha constate atividade, de base local ou comarcal, de defesa do devandito património, também da sua dinamizaçom, com umha grande eficácia no controlo e vigilância da contorna imediata. Os resultados, muito louvados nas suas áreas de açom, nom sempre transcendem nem som abondo visíveis a nível galego.

  4. Porém, ainda que os danos ao património sempre som locais (a um bem concreto, num momento concreto) tanto a legislaçom como as políticas de património cultural ou as grandes problemáticas (setor florestal, grandes infraestruturas, marco jurídico…) transcendem esse âmbito e condicionam, já que logo, a capacidade de atuaçom de muitas entidades locais. É preciso dota-las dum instrumento que lhes permita operar naqueles âmbitos administrativos (comunidade autónoma, Estado, Uniom Europeia) que som de difícil aceso para umha pequena entidade e na que esta pode exercer um papel pouco representativo.

  5. Na atualidade volve-se viver um interesse por parte de pessoas e grupos da sociedade civil por cuidar o património cultural, participar ativamente na sua preservaçom e gestom. Nom há dúvida de que o papel da Internet, conectando a indivíduos antes ilhados em diferentes lugares e partilhando informaçom, problemáticas e soluçons, incentiva este novo ativismo. A Internet adapta-se com facilidade às estruturas associativas galegas, horizontais, descentralizadas e sem umha hierarquia sólida

  6. Os escassos orçamentos que destinam as Administraçons ao património cultural, as profundas transformaçons da sociedade e das economias rurais e as mudanças legislativas promovidas recentemente pola Administraçom galega estam a afetar de jeito crítico ao nosso património cultural. É o momento de dar um passo que permita enfrentar estes novos desafios, sempre desde o respeito à idiossincrasia das entidades locais e comarcais do país.

  7. Propom-se uma ferramenta conjunta de coordinaçom das asociaçons locais/comarcais e outras de âmbito galego (que também assinam), todas elas de defesa do património, para se dirigir às autoridades, organismos ou entidades pertinentes a prol da salvaguarda do nosso património cultural.

  8. As entidades que assinam este documento comprometem-se a criar sistemas de comunicaçom horizontal, de livre adesom, sem hierarquias, aos que se podam incorporar outras organizaçons com o fim de adesom aos termos nos que se redige o presente documento.

  9. A mecânica de trabalho inicial será o trabalho conjunto e a elaboraçom de iniciativas decididas pola rede que tenham um claro fim de defesa e/ou posta em valor do património cultural e que pola sua natureza ou dimensom precisem dumha escala superior à de cada umha das entidades. Nenhuma organizaçom poderá atuar em nome da Rede e nos casos que se acade unanimidade nomeara-se umha representaçom e aclarando em toda a documentaçom que entidades formam parte dumha iniciativa concreta.

  10. As organizaçons que assinam esta Declaraçom mantêm a sua independência e autonomia e comprometem-se a encetar o caminho cara a criaçom dumha estrutura de coordinaçom de entidades do património.

 

 

Galicia and Druidry (TV interview)

What is Druidry? What does it mean to be a “Celt” nowadays? Why is this relevant at all?
Druidry explains the deep spiritual connection between a people and their land, their past and their traditions. Being a Celt in the 21stC is gaining awareness of that ancient heritage and persevering in keeping it alive. Both aspects – Druidry and Celticity – are also a path into the future open to all. It is an example of how a society can embrace ageless but at the same time useful, forward-thinking values, and share them with the world.
Being a Celt is, then, studying, learning, respecting that past, but also reconstructing and living an identity in an educated and reasonable manner, establishing links with akin communities and individuals. Druidry is probably the best option to do that when that fond feeling emanates from the soul and the heart.
It is not only about what was, but what is, and what we want it to be for the times to come.
Welcome, fellow Celts, wherever you may be from.
(More information in English at our specific English page.)

NOTE: This interview is part of  the TV show “Spectacular Spain” (S01 E06), first aired on Channel 5 (UK) on May 5th, 2017. Alex Polizzi talks to Xoán ‘Milésio’ (Durvate Mór of the IDG). Reproduced here for educational purposes only. Subtitles in Galician-Portuguese by IDG.

PS. Do you like the IDG? You can help us continuing our work 🙂

[GL-PT] O que é a Druidaria? O que significa ser “celta” hoje em dia? Por que isso tudo é relevante em verdade?
A Druidaria explica a profunda conexão espiritual entre um povo e sua terra, o seu passado e as suas tradições. Ser celta no S. XXI significa decatar-se dessa antiga herança e perseverar em mantê-la viva. Ambos aspectos – Druidaria e celticidade – são também um caminho para o futuro, aberto a todos. É um exemplo de como uma sociedade pode abraçar valores eternos, mas ao mesmo tempo úteis, progressistas, e compartilhá-los com o mundo.
Ser Celta é, então, estudar, aprender, respeitar esse passado, mas também reconstruir e viver uma identidade de maneira educada e razoável, estabelecendo laços com comunidades e indivíduos afins. A Druidaria é provavelmente a melhor opção para fazer isso quando esse sentimento fundo emana da alma e do coração.
Não é apenas o que foi, mas o que é, e o que queremos que seja para os tempos vindouros.
Bem-vindos e bem-vindas, amigas celtas, de onde seja que sejades.

NOTA: Esta entrevista é parte do programa de TV “Spectacular Spain” (S01 E06), emitido originalmente em Channel 5 (UK) o 5 de Maio de 2017. Alex Polizzi fala com o Xoán ‘Milésio’ (Durvate Mór da IDG). Reproduzido aqui apenas para fins educacionais. Legendas em galego-português da IDG.

PD. Gostas da IDG? Tu podes ajudar a que este trabalho continue 🙂

If you are reading these lines…

The Pan-Celtic flag. You can find it in our Support Page

… it means you are in the right place in case you are looking for information on Galician Druidry or the ancient history and heritage of our Land, which we consider to be the core of the Atlantic Celtic culture.

Anyhow, you are most welcome 🙂

However, you may have noticed that most of our site and regular publications are produced in Galician language only, although some relevant information is also presented in English every now and then (such as our page about Galicia).

Therefore, we would like to invite you to read our specific English page where you will find out a bit more about us and our beliefs.

Also, do not hesitate to contact us (in English, of course) with any questions, and feel free to follow the IDG on Facebook and Twitter.

All the best /|\

[Isto é uma nota de boas-vindas para pessoas que não percebem galego-português – This is a welcome note for those who don’t understand Galician-Portuguese]

Pitões, cenário de Maios por sexto ano

Nos Maios, Pitões! Por sexto ano consecutivo as Jornadas Galaico-Portuguesas serão o ponto de encontro, debate e celebração da nossa cultura ancestral durante, precisamente, a segunda grande época do calendário Druídico.

Vinde o fim de semana do 13 e 14 de Maio a Pitões das Júnias (Montalegre, Gerês) para desfrutardes do convívio, actividades e palestras de primeiro nível (ver programa completo embaixo).

De facto – como no ano passado – contaremos com a presença do famoso investigador Prof. Francesco Benozzo, considerado um dos melhores especialistas em harpa céltica e duas vezes candidato ao Prémio Nobel de Literatura. Além disso, teremos também a honra de dar as boas-vindas por primeira vez ao Druida /|\ Adgnatios, da Assembleia da Tradição Druídica Lusitana, que falará sobre ética céltica.

O evento é organizado pela amiga A.C. Desperta do Teu Sono, Junta de Freguesia de Pitões das Júnias e Concelho de Montalegre, entre outros, com colaboração e apoio de várias outras entidades onde se inclui a Irmandade Druídica Galaica. Aliás, esta será uma boa oportunidade de encontro para todas aquelas pessoas interessadas em estabelecer um contacto “real” com a IDG. Será a primeira presença pública da IDG desde o passado Magusto.

Programa completo:

  • Sábado 13 de Maio

1º Painel: Apresenta Maria Dovigo
10:00 – Apresentação das Jornadas
10:30 – Íria-Friné Rivera: “Celtismo: o amanhecer da estética moderna galega”
11:30 – Joám Evans: “Ogham: apontamentos sobre uma escrita galaica”
12:30 – Francesco Benozzo: Apresentação do livro “Speaking Australopithecus. A new theory on the origins of the human languages” (F. Benozzo & Marcel Otte) [em inglês com tradução ao português]

13:30 – Almoço

2º Painel: Apresenta Maria Dovigo
16:30 – Joaquim Palma Pinto: “Ética Espiritual Celta: valores intemporais para tempos atuais”
17:30 – Mesa redonda e debate aberto: “A utilidade do Celtismo na Galiza e Norte de Portugal”
20:00 – Concerto: “Uma viagem atlântica. Música desde as fronteiras célticas”, a cargo de Francesco Benozzo (voz, harpa céltica e harpa bárdica)

22:00 – Churrascada popular

  • Domingo 14 de Maio

10:00 – Visita à aldeia desabitada de Juris (castro habitado até a bem entrada a Idade Média) e ao Carvalhal de Porto da Laja (antigo nemetão céltico)
13:00 – Clausura
14:00 – Comida de Irmandade

  • Participantes:

Sra. Doutora Maria Dovigo, Academia Galega da Língua Portuguesa
Sra. Dra. Íria-Friné Rivera, Universidade da Corunha
Sr. Dr. Joám Evans, Academia Galega da Língua Portuguesa
Prof. Doutor Francesco Benozzo, Universidade de Bolonha / Candidato a Prémio Nobel
Sr. Doutor Joaquim Palma Pinto, Centro de Estudos de Filosofia (UCP) / ATDL

NOTA: Recomenda-se a reserva rápida de lugares para dormidas e refeições em Pitões, já que pelo tamanho da aldeia a oferta turística é limitada.

ACTUALIZAÇÃO IMPORTANTE para viajantes desde a Galiza Norte: Vamos lá ter as melhores jornadas por enquanto apesar da “visita papal” Aguardamos-vos em Pitões mas tende em conta uns pequenos ajustes pois a maioria de passos fronteiriços direção sul estarão fechados até sábado noite.
Ficam abertos – com controlos – os dous principais via autoestrada (Tui/Valença do Minho e Verim/Vila Verde – ver gráfico). A opção com mais quilómetros mas mais rápida (pelo tipo e estado das estradas) e aceder via Verim/Vila Verde (A24) e desviar depois sentido Montalegre-Pitões das Júnias.
Estamos, contudo, à espera de confirmação da GNR local sobre informação do passo em Tourém, que facilitaria muito o acesso a Pitões.
Em todo caso, adaptade as vossas rotas e tempos de viagem e lembrade portar sempre um documento identificativo oficial e documentação do carro em ordem (nomeadamente a “carta verde”, fornecida gratuitamente pelas companhias asseguradoras).
Paciência 🙂 O líder católico irá a Fátima, mas os responsáveis da Druidaria Galaica e Lusitana estão em Pitões!

Gostas da IDG? Tu podes ajudar a que este trabalho continue – Do you like the IDG? You can help us continuing our work 🙂

No Dia da Mulher

druidesa

“O Visco”. Gravura de Druidesa mostrando o visco cortado, a planta mais sagrada. Virginie Demont-Breton (1895).

[recuperamos um texto publicado anteriormente, mas sempre válido]

No Dia Internacional da Mulher (Trabalhadora) – 8 de Março – a IDG acode ao seu chamado social nesta importante data, apoiando o que nela se honra e reivindica, como é a luta pela igualdade das mulheres, os seus direitos plenos e empoderamento na sociedade actual, lembrando e criticando o seu silenciamento secular.

Por desgraça, a institucionalização desta ocasião tende a ocultar muitos dos problemas reais por trás duma cortina de falsa “equiparação” ou “avanços”. Abofé que alguns sim se têm produzido na nossa sociedade, mas não sem grande esforço e sacrifício, até da vida, e longe ainda duma situação ideal. Fica muito, aliás, no caminho à frente, por isso apelamos à constante vigilância contra a violência machista, discriminação laboral, controlo do corpo, segregação nos estudos e desportos… e tantas outras chagas que continuam a afectar, limitar e empobrecer a vida das mulheres galaicas e do mundo.

Contudo, e com diversos eventos acontecendo no país, não podemos deixar de achar interessante e significativo que esta data se encontre ainda baixo a influência do Entroido (Imbolc), e portanto de Brigantia, a Deusa vitoriosa, aquela que estende ou retira a soberania, o poder, à sua vontade. No Druidismo Galaico acreditamos, como exemplifica a sua figura, que toda mulher é (deve ser!) livre nas suas escolhas, igual que Brigantia: ferreira e guerreira, soberana e sanadora, nai (só) se quiser. Deixemos pois que esta grande Deusa possa nos ajudar, recordando o papel fulcral da mulher nas antigas sociedades célticas, as mais avançadas neste aspecto na sua época.

Neste dia, a IDG ratifica de entre os Nove Compromissos Druídicos o Compromisso com a Humanidade, o Compromisso com a Independência e o Compromisso com a Liberdade, e evoca de entre as Nove Virtudes célticas a virtude da Justiça.

Bom dia então, irmãs, com mais um passo cara um futuro melhor.

 

Nota: Na nossa tradição a mulher pode atingir o grau sacerdotal máximo de Durvate (Druidesa), seguindo o mesmo processo que qualquer homem.

Open letter to the Great Sioux Nation (and not only)

defend_the_sacredDownload letter in pdf > here (74 kb) <

(continuar a ler para explicação em galego)

Open letter to the Great Sioux Nation and to all Native Peoples of North America, from the Pan-Galician Druidic Fellowship.

Dear Friends,

We have been following your struggle at Standing Rock, where you are protecting the Land and Water endangered by the so-called Dakota Access Pipeline. Likewise, we have witnessed the brutal aggressions and disproportionate reaction to your rightful claims and stance.

We know there is not much we can do from this side of the Atlantic other than to express our honest support with gestures such as this letter, and trying to raise awareness about your situation.

Still, you can be assured we do this having known ourselves the dispossession of our own Land, the abuse and desacralisation of our holy places, the colonisation at the hands of foreign powers, the subjugation of our culture, language and ancient heritage. Indeed, this has happened and continues to happen in Europe.

From a religious perspective, we share the pain of knowing that nothing less than Water is being stained (the Sea, and by extension all Water, is one of the three Celtic Realms).

From an environmentalist perspective, we share the worry of knowing how contamination affects all living beings, how much damage and death it can cause (Nature is most sacred and revered, and part of our beliefs and ethics are based on a wider understanding of Nature).

From a social perspective, we share the belief in the need for open civic involvement, active participation and self-organisation, thus engaging and empowering our Communities (we consider Community and a “hands-on” attitude to be of the utmost importance and fundamental to our practice and daily life).

You must know that your current predicament – in spite of these trying times – will forever be a glorious example of determination, dignity and pride. You have already accomplished that, and this will continue to happen with all just claims of Native Peoples in both North and South America and in all the World (lest we forget the ongoing Mapuche conflict and many others; the Condor and the Eagle might truly be flying towards each other now). It is, after all, a common struggle against the same imperialistic greed and patronising despotism, the same monster taking different forms in different places under different names.

All in all, and even if this is the only message we can manage to convey, we want you to know that you will find kindred spirits even in the places you would have suspected the less. You are certainly not alone in your prayers and thoughts for a better, fairer and more prosperous life in the same Land that housed your Ancestors – your Land.

That is what we want for ourselves and that is what we wish for you and all Peoples.

Quoting a fragment of our National Anthem:

Os bons e generosos               The good and generous
a nossa voz entendem,            Our voice do understand,
e com arroubo atendem          And eagerly they hearken
o nosso rouco som;                 To our rough sounds;
Mas só os ignorantes,             But only the ignorants,
e féridos e duros,                    And barbaric and hard,
imbecis e escuros                   Those foolish and dark
não nos entendem, não.         Do not understand us. They do not.

 

All the best.

 

More information about the IDG in English > here <

More information about Galicia, our country > here <

 

Explicação em galego:

Carta para a Grande Nação Sioux: Quem leia estas linhas seguramente conhecerá os graves incidentes que levam acontecido no território Sioux de Standing Rock (América do Norte). Quem não conheça, recomendamos uma procura de informação sobre o tema no que é o mais recente e mediático acto de injustiça e repressão sobre um Povo Nativo no mundo. Por estes e outros muitos e lógicos motivos, acreditamos que era preciso – dentro das nossas limitadas possibilidades – expressar a nossa solidariedade internacionalista com uma luta distante no espaço, mas muito familiar no sentimento.

O texto acima foi o enviado à Nação Sioux, grupos organizados presentes na zona e ainda outras entidades e meios de comunicação Norte-Americanos nativos.

Auga – Water

Aviso de intolerância – Bigotry warning

ferdiad

Visão romantizada do herói irlandês Cú Chulainn portando o seu amigo e amante Ferdiad depois de lhe dar morte.

[scroll down for English] Lembramos que a Irmandade Druídica Galaica é uma entidade religiosa formada sobre uns princípios de crença bem determinados e uma ética específica. Dentro desta última, a IDG rejeita de forma categórica (entre outras) qualquer atitude racista, sexista, homofóbica, conduta difamatória ou de maltrato animal. Igualmente, a IDG tem como um dos seus valores fulcrais a defesa e protecção integral da Terra Galaica: da sua cultura, natureza, património, idioma e tradições.

Assim, determinadas posturas e actitudes são contrárias à pertença ou sequer simpatia com a IDG.

Encorajamos pois a qualquer pessoa que não se sinta confortável com o dito a exercer a sua liberdade e responsabilidade e deixar de seguir a IDG em redes sociais ou declarar-se simpatizante da mesma.

Quando identificado, a IDG eliminará qualquer comentário ou adesão que vaia em contra dos seus princípios.

 

[in English] We would like to remind that the Pan-Galician Druidic Fellowship (IDG) is a religious organisation based on a well-defined set of beliefs and specific ethics. In relation to the latter, the IDG categorically rejects any racist, sexist, homophobic, defamatory attitude or animal abuse (among other issues). Likewise, one of the core values of the IDG is the defence and protection of the Galician Land: its culture, nature, heritage, language and traditions.

Therefore, certain stances and attitudes are contrary to membership and even sympathy towards the IDG.

We invite then any person who does not feel comfortable with the above mentioned to make use of his/her freedom and responsibility and stop following the IDG on social networks, or identify himself/herself as a sympathiser.

When identified, the IDG will ban any comment or membership going against its principles.