Archive for the ‘Crença’ Category

As Nove Regras de Conduta – The Nine Rules of Demeanour

A nom esquecer / Do not forget

Texto em pdf / Text in pdf (338kb)
Scroll down for English version

Sabemos que circulam muitos mitos falsos sobre o antigo Povo Celta. Sabemos que falta muita informaçom do nosso passado e que, em grande parte, só podemos fazer umha reconstruçom parcial do conhecimento ancestral. Contudo, hai cousas que sim sabemos, seja de forma directa ou indirecta, através da investigaçom e estudo comparado com outras terras celtas. Podemos, aliás, adaptar e actualizar de forma razoável o que os nossos Devanceiros e Devanceiras pensavam aos tempos de hoje.

Sabemos assim que os três eixos por trás da ética druídica som a Responsabilidade, a Honra e o Compromisso. Podemos concordar também nos Nove Compromissos e as Nove Virtudes como preceitos comuns a todos os grupos druídicos sérios, com essas ou outras palavras similares. Indicamos isto tudo na nossa secçom sobre a Druidaria.

Mas, como podemos dar forma à reconstruçom dumha sociedade “céltica” no nosso dia a dia com base a tudo o indicado? Que pequenos actos podemos realizar? Que concreçons termos presentes na nossa vida cotiã? Vam pois, umhas recomendaçons por onde começarmos fazer do nosso mundo um lugar melhor para todos e todas seguindo umha lógica céltica.

As Nove Regras de Conduta Druídica:

1. Cortesia e educaçom.

Sé decididamente cortês, sé educado/educada. Saúda e sorri. Agradece sempre, especialmente a pessoas subordinadas. Mantém as boas formas em todo momento. Nom provoques barulho ou sejas desagradável. Pede desculpas se causas moléstia ou incomodo acidentalmente. Sé pontual.

2. Hospitalidade e generosidade.

Um/Umha celta mede-se pola sua hospitalidade. Fornece, dá com fartura, assegura-te de que ninguém no teu clã sofra necessidade. Partilha. Ajuda ao estranho ou estranha se a sua causa é genuína e a sua conduta adequada. Acolhe de braços abertos a quem o mereça e retribua, mas nom permitas abusos, roubos e descaramentos.

3. Conhecimento.

Informa-te, estuda, vai à raiz. Nom fales do que nom sabes, aprende de quem sabe. Nunca espalhes rumores. Pergunta e debate como ferramenta contra a ignorância. Se ofereces umha opiniom fundamentada informa que é umha opiniom e nom um facto. Defende os factos, aliás, se genuinamente acreditas neles como certos. Aceita estar equivocado/equivocada quando aconteça.

4. Respeito e tolerância.

Respeita a quem pensa e actua diferente se o fai com Honra, razons e convicçom genuína. Destrói a charlatans e impostores. Defende as tuas crenças e valores mas sempre com argumentos e atitude construtiva. Ouve, sé empático/empática, mas nom toleres a quem só prevarica ou quer causar mal.

5. Justiça e verdade.

Sé justo/justa. Di a verdade. No pensamento celta, umha vez algo é decidido só isso pode vir a ser e, portanto, nada pode estar errado nesse momento preciso. Se depois se demonstra como errado assume-o, cresce como pessoa, e corrige e repara sempre todo mal causado. Mas esmaga os ardis de quem te quer enganar ou tirar proveito de ti.

6. Terra e Natureza.

A Terra sustenta a nossa realidade, a Natureza é tudo ao nosso redor. Som o legado do passado para o futuro. Respeita-as, honra-as. Nunca as danes e, mais do que isso, cuida delas, pois elas som tu e tu és elas. Informa a toda pessoa que desconheça esta verdade, combate toda pessoa que mália saber actue na sua contra.

7. Cuidado e saúde.

Cuida-te, mantém-te sã e seguro/segura, mantém-te asseado/asseada. Respeita-te. Fai o necessário para estares sempre em boa condiçom física. Aprende como funciona o teu corpo e conhece as suas reacçons, pois o teu bem-estar mais elementar depende disso. Cuida a higiene própria e doméstica, como faria qualquer animal, pois a Natureza é ordenada e limpa. O desleixo é egoísmo.

8. Sem dano, sem ódio.

Nom provoques dano a nada nem ninguém. Respeita a propriedade dos/das demais e exige respeito para a tua. Jamais forces ninguém ao que nom quer fazer. Defende o/a inocente. Cada pessoa vale o que valem a sua palavra e as suas obras, e cada pessoa deverá ser tomada individualmente no que é, para bem ou para mal. Se tens que combater que seja em defesa própria e porque tentasche tudo e nada funcionou.

9. Sentidinho.

Ou a palavra mais galaica possível para resumir o equilíbrio mental. Nom sejas um tolo/tola. Pensa, razoa, planifica antes de falares ou actuares. Considera tudo o dito e toma decisons honestas, nom te enganes a ti mesmo/mesma. Actua com proporçom e sem precipitaçom, mas com decisom e resoluçom. Nom fagas caso de “imbecis e escuros”, evita provocaçons. Esnaquiza rapidamente, porém, a quem nada disto respeite e te queira fazer mal a mantenta.

Ou em resumo:

  • Sé cortês e educado/a.
  • Sé generoso/a e acolhedor/a.
  • Estuda.
  • Respeita os/as outros/as.
  • Sé justo/a e sincero/a.
  • Protege a Terra e a Natureza.
  • Fica saudável, seguro/a e limpo/a.
  • Não causes mal nem provoques ódio.
  • Não sejas parvo/a.

 

[in English] It is known that many false clichés are told about the ancient Celtic People. It is known that much information from our past has been lost and that, for the most part, only a partial reconstruction of that ancestral knowledge can be accomplished. However, there are things we do know, directly or indirectly, thanks to research and comparative studies with other Celtic lands. We can, moreover, make an educated guess in adapting and updating what our Ancestors thought to the times we are living in.

We know that the three key aspects behind Druidic ethics are Responsibility, Honour and Commitment. We can also agree on the Nine Commitments and the Nine Virtues as common principles for all serious Druidic groups, with those or similar words. We discuss all this in our section on Druidry.

Yet, how can we face the reconstruction of a “Celtic” society today based on all of the above? What little things can we do in our daily lives? Here are, then, a number of recommendations where to begin making our World a better place for all, following a Celtic logic.

The Nine Rules of Druidic Demeanour:

1. Courtesy and politeness.

Be impeccably courteous, be polite. Greet and smile. Always say thank you, especially to subordinates. Use good manners at all times. Do not become noisy, boisterous or be nasty. Apologise if you ever cause trouble or annoyance accidentally. Be punctual.

2. Hospitality and generosity.

A Celt is measured by his/her degree of hospitality. Provide, give plenty, make sure nobody in your clan is lacking the basics. Share. Help the stranger if his/her cause is genuine and his/her conduct proper. Welcome with open arms whoever deserves it and reciprocates, but do not tolerate abuse, theft nor insolence.

3. Knowledge.

Inform yourself, study, go to the root. Do not speak about what you do not know, learn from those who know. Never spread gossip. Ask and discuss as a tool against ignorance. If you give a reasonable opinion do state it is an opinion and not a fact. Defend the facts, however, if you genuinely believe in them as being true. Do accept being wrong when it happens.

4. Respect and tolerance.

Respect whoever thinks and acts differently if he/she does it with Honour, reason and genuine conviction. Destroy the charlatans and impostors. Defend your beliefs and values but always using arguments and with a constructive attitude. Listen, be empathic, but do not tolerate those who only prevaricate or want to cause evil.

5. Justice and truth.

Be fair. Speak the truth. In Celtic thought, once something is decided then only that can come to be and, therefore, nothing can be wrong in that precise moment. If it is later proven as wrong, accept it, grow as a person, and correct and repay any harm you may have caused. But crush the wile of anyone who wants to deceive you or take advantage of you.

6. Land and Nature.

The Land sustains our reality, Nature is everything around us. They are the legacy of the past for the future. Respect them, honour them. Never harm them and, more than that, cherish them, for they are you and you are them. Tell all this to anyone who ignores this truth, fight anyone who – despite knowing – acts against them.

7. Care and health.

Look after yourself, keep yourself healthy, safe and clean. Respect yourself. Do the necessary to always be in good physical condition. Learn how your body works and get to know its reactions, because your most basic well-being depends on that. Look after your personal and domestic hygiene, as any animal would do, for Nature is tidy and clean. Negligence is selfish.

8. No harm, no hate.

Do not cause harm to anything or anyone. Respect the property of others and demand respect for yours. Never force anyone into doing what they do not want to do. Defend the innocent. Each person is worth what his/her word and works are worth, and each person must be dealt with individually as they are, for good or for bad. If you have to fight make sure it is in self-defence and because you have tried everything and nothing else has worked.

9. “Sentidinho”.

Or the most Galician word possible to sum up mental balance. Do not be a fool. Think, reason, plan before you talk or act. Consider everything and make honest decisions, do not deceive yourself. Act with proportion and do not be hasty. Do not listen to those “foolish and dark” (as our National Anthem goes), avoid provocations. Smash swiftly, however, whom none of this respects and wants to harm you on purpose.

Or in summary:

  • Be courteous and polite.
  • Be generous and welcoming.
  • Study.
  • Respect others.
  • Be fair and truthful.
  • Protect the Land and Nature.
  • Stay healthy, safe and clean.
  • Cause no harm and provoke no hate.
  • Don’t be a fool.

 

Texto em pdf / Text in pdf (338kb)

 

Gostas da IDG? Tu podes ajudar a que este trabalho continue – Do you like the IDG? You can help us continuing our work 🙂

Anúncios

Salta a lebre, descansa Brigantia: é a Alvorada da Terra

O animal desta época, a Lebre, nom o é por casualidade. Símbolo de fertilidade, é a encarregada de cuidar do ovo (fruto do ventre – i mbolg) pois Brigantia começa já a ficar cansa… Foto: C. Galliani.

Esta tarde o Sol detém-se sobre as nossas cabeças, toma fôlegos por um intre na sua viagem enquanto equilibra luzes e trevas. Às 16:15 (norte do Minho; 15:15 no sul) tem lugar o Equinócio de Primavera, quando depois de finalmente alcançar à escuridom na sua corrida, o dia dura tanto como a noite.

É o que muitos e muitas denominam Alban Eilir, “A Luz da Terra”, Mean Earraigh, “Meia Primavera”, ou Alban Talamonos, “O Amencer da Terra”; Ostara nos cultos germânicos e wiccanos, o início do ano astrológico para outros.

Nos chamamos-lhe A (Festa da) Alvorada da Terra e é um dos quatro  eventos astronómicos que intercalam as quatro grandes celebraçons religiosas da Roda do Ano , é dizer, o ciclo completo das oito grandes celebraçons da Druidaria combinando quatro maiores (religiosas, com começo no Magusto, em Novembro) e quatro menores (astronómicas: solstícios e equinócios).

Continuamos assim o caminho indicado no Entroido (Imbolc). Vai resultando evidente que a chegada dos Maios (Beltaine) e imparável. A Natureza cumpre os seus ciclos mais umha vez, por muito que haja quem teime em ignorá-la e daná-la. Por fim vai agromando a vida por toda parte; é óbvio e palpável. Apesar do frio que perdura, a luz e os primeiros verdes e flores nom enganam. Activa-se a fertilidade e maravilhamo-nos de como a planta sabe quando tem que medrar, quando tem que sair do ovo protegido por uma lebre, simbolismo do que significavam os frutos “no ventre” (i mbolg) da Deusa Brigantia, que nom parou de sorrir desde o Entroido.

Renovam-se desta forma as intençons do Entroido: continua a preparaçom, cuidado e sementado da terra, mas esta já reverdesce. Pode-se pôr outra vez a casa em ordem e continuarmos a limpeza, tamém interior, porque com esta luz podemos ver melhor todo recanto escuro, em toda parte, e nom deixarmos nada sem arranjar.

Bom Equinócio de Primavera entom. Recebide a acougante Alban Eilir num agarimoso abraço. Empregade bem o tempo da Mean Earraigh. Espreguiçade-vos com o Alban Talamonos. Acordade com a terra que recebe a sua Alvorada.

 

Dim que nom falam as plantas, nem as fontes, nem os pássaros,

nem a onda cos seus rumores, nem co seu brilho os astros,

di-no, mas nom é certo, pois sempre quando eu passo,

de mim murmuram exclamam:

Aí vai a tola sonhando

coa eterna primavera da vida e dos campos

e já bem cedo, bem cedo, terá os cabelos canos,

e vê tremendo, aterecida, que cobre a giada o prado.

 

Hai brancas na minha cabeça, hai nos prados giada,

mas eu prossigo sonhando, pobre, incurável sonâmbula

coa eterna primavera da vida que se apaga

e a perene frescura dos campos e as almas,

ainda que os uns esgotam-se e ainda que as outras abrasam.

 

Astros e fontes e flores, nom murmuredes dos meus sonhos,

sem eles, como admirar-vos nem como viver sem eles?

(Rosalia de Castro, 1884)

pagan_easter

Gostas da IDG? Tu podes ajudar a que este trabalho continue – Do you like the IDG? You can help us continuing our work 🙂

For the Sons and Daughters of Míl

[This is a revised version of a text originally published in Galician. It is a simple token of appreciation from the IDG to the always loved Éire and Her People]

Holy mountain of Cruachán Aigle, home to Crom Cruach, now disrespected with the name of Croagh Patrick.

Our sister nation of Éire (Ireland) celebrates its national day today, March 17th. It is a day commonly associated with the celebration of its identity and culture, its affirmation as a free People, a formal freedom which was achieved not so long ago taking a high toll. As a matter of fact, part of the price to pay has been a partial memory loss.

More than familiar and intimately well-known, mimetic even in this, Éire hurts as much as our own Land does as Her big day falls on a controversial date. Like us, most of the Sons and Daughters of Míl (the modern Irishmen and Irishwomen) choose to focus on the joyful and light side of things, and even on some political and social issues. Yet, like us, many have a bittersweet sensation with a celebration which revolves around an odd figure, a usurper. Our histories truly run parallel.

It is said that this is “St. Patrick’s Day”, the one who allegedly “drove the snakes out of Ireland”, the same Isle of Destiny glimpsed from the top of Galician King Breogám‘s tower (Irish Bregon). Or better say, Patrick, the one who is claimed to have fought the God Crom Cruach and His wife Goddess Corra, the Dragon and the Crane, or the Great Dragons, akin to our Galician Crouga and Coca.

Twice a year in Galicia we “eat the dragon”: Winter Solstice and Spring Equinox. That is… about now! This creature is the Coca, representing Crouga, the form God Larouco often takes “when He is not in His mountain”.

Crom, first shaper of the Isle and primordial being of Her lands, God of fertility made and covered in gold and, therefore, incorruptible, unchanging, eternally immaculate. This is whom the Christian myth wanted to replace by force, as they clumsily tried to do with many others by simply changing their names.

This way, the Patrick myth had to coercively reinterpret the principle of the Celtic Triad (see the Irish shamrock) and even adapt its main symbol, the Christian cross, to the pre-existing Celtic cross. Hence the Christian imposition was symbolised through the mentioned episode involving the elimination of the snakes, banished from our lives and beliefs. Hence they took possession over the house of Crom, metaphorically and physically, His holy mountain – like our Larouco – now wrongly called Croagh Patrick.

But what is said for Galicia can now be said for the Sons and Daughters of Míl, since they are of our ancient blood, descendants of the same lineage: the outlanders did not triumph despite the many they convinced. We are witness to that.

Although the Milesians – the Celtic Galicians who sailed to Ireland and settled there – supported Lugh in the quarrel with Crom and the Land and the harvests were eventually yielded to the former, it is clear that Crom remains not just among the Celtic Gods and Goddesses, but also as an ally to Lugh Himself, to the Mórrígan (our Reve) and to the one the Welsh call Rhiannon and the Gauls Epona (our Íccona). And Corra, always willing, continues to visit the holy mountain every summer.

We wish all the Irish a grand Day of the Dragon then, hoping they will take yet another step forward against oblivion, for the Honour of our shared culture and our Peoples. When they do, they must know they are not walking alone, for Galicia and Ireland can never be strangers to each other, for we sing the same songs.

Catholic respect for Druidry

Source: Celtic Druid Temple, Ireland.

 

Gostas da IDG? Tu podes ajudar a que este trabalho continue – Do you like the IDG? You can help us continuing our work 🙂

No Dia da Mulher

druidesa

“O Visco”. Gravura de Druidesa mostrando o visco cortado, a planta mais sagrada. Virginie Demont-Breton (1895).

[recuperamos um texto publicado anteriormente, mas sempre válido]

No Dia Internacional da Mulher (Trabalhadora) – 8 de Março – a IDG acode ao seu chamado social nesta importante data, apoiando o que nela se honra e reivindica, como é a luta pola igualdade das mulheres, os seus direitos plenos e empoderamento na sociedade actual, lembrando e criticando o seu silenciamento secular.

Por desgraça, a institucionalizaçom desta ocasiom tende a ocultar muitos dos problemas reais por trás dumha cortina de falsa “equiparaçom” ou “avanços”. Abofé que alguns sim se tenhem produzido na nossa sociedade, mas nom sem grande esforço e sacrifício, até da vida, e longe ainda dumha situaçom ideal. Fica muito, aliás, no caminho à frente. Por isso apelamos à constante vigilância contra a violência machista, discriminaçom laboral, controlo do corpo, segregaçom nos estudos e desportos, e tantas outras chagas que continuam a afectar, limitar, empobrecer e mesmo ameaçar a vida das mulheres galaicas e do mundo.

Contudo, e com diversos eventos acontecidos e acontecendo no País, nom podemos deixar de achar curioso e significativo que esta data se encontre ainda baixo a influência do Entroido (Imbolc), e portanto de Brigantia, a Deusa vitoriosa, aquela que estende ou retira a soberania, o poder, à sua vontade. Na Druidaria Galaica acreditamos, como exemplifica a sua figura, que toda mulher é (deve ser!) livre nas suas escolhas, igual que Brigantia: ferreira e guerreira, soberana e sanadora, nai (só) se quiser. Deixemos pois que esta grande Deusa possa nos ajudar, recordando o papel fulcral da mulher nas antigas sociedades célticas, as mais avançadas neste aspecto na sua época.

Neste dia, a IDG ratifica de entre os Nove Compromissos Druídicos o Compromisso com a Humanidade, o Compromisso com a Independência e o Compromisso com a Liberdade, e evoca de entre as Nove Virtudes célticas a virtude da Justiça.

Bom dia entom, irmás, com mais um passo cara um futuro melhor.

 

Nota: Na nossa tradiçom e na nossa organizaçom a mulher pode ocupar qualquer posto, podendo ser iniciadas e ordenadas até o grau máximo da Druidaria que é o de Durvate (título único e sem gênero para ‘Druida’/’Druidesa’).

 

Depois da manifestaçom nacional do dia 4, no dia 8 celebra-se umha grande mobilizaçom e greve de mulheres a nível mundial.

 

Gostas da IDG? Tu podes ajudar a que este trabalho continue – Do you like the IDG? You can help us continuing our work 🙂

O calor do inverno, Entroido de Brigantia

Ousilhão (Vinhais, Bragança), 2018. Foto de A. Marín retirada dum perfil público Facebook.

No 1 de Fevereiro formaliza-se a segunda das quatro grandes celebrações do ano, o Entroido (Imbolc), uma celebração de esperança e alegria fortemente vencelhada à Deusa Brigantia (Brighid ou Bride), a Deusa vitoriosa, principal representante da soberania feminina, exemplo perfeito das trindades druídicas na sua própria figura.

Na tradição galaica disque o Entroido começou já o 1 de Janeiro (passados os fastos da Noite Nai) e ainda que é certo que nalguns lugares já levam dias preparando e até celebrando, será durante esta próxima época depois do 1 de Fevereiro na que se desenvolva em todas partes este festival percebido como purificação da terra e primeiro estímulo do crescimento, a preparação limiar da terra no futuro encontro com a primavera.

Vai-se cumprindo o anunciado triunfo sobre a escuridade que começou com o Ano Novo celta no Magusto (Samhain – 1 Novembro), num inverno que se bem ainda não rematou também não é quem de nos vencer quando bate mais duro, e Brigantia ajuda-nos com os seus atributos e ferramentas.

É o momento então para a regeneração, para ajudarmos a terra, colocar os assuntos da casa em ordem, mesmo de fazer uma grande limpeza, fazer planos e “plantar” ideias. Muitos animais parem nestas datas e mesmo pode ser considerada como a festa dos bebés. Já diz o refraneiro galego que “no 2 de Fevereiro casam os passarinhos“.

Lembra-se, aliás, que o Rei hã renovar os votos com a Terra, na união de soberanos, o pacto sagrado entre o Ser Humano e as Deidades da mão de Brigantia. Como diz o antropólogo R. Quintia:

“[O Entroido galego é o] que melhor conserva o significado simbólico das vodas rituais que se celebravam em toda Europa no final de ciclo festivo da Invernia e a essência das sociedades de moços solteiros [Córios]”

A Deusa Brigantia – A Alta, A Elevada, A Tríplice Chama, Senhora da Soberania, portadora da água, da luz e Deusa do Fogo – toma três aspectos: como Lume da Inspiração (patrona da poesia, artes, filosofia e profecia), como Lume do Lar (patrona da medicina e fertilidade, de pastoras a agricultoras, protectora da casa com ajuda da Deusa Trebaruna) e como Lume da Forja (patrona da metalurgia, ferraria e artes marciais, grande guerreira).

A alegria

A alegria do Entroido tradicional: as cores racham o frio. Chama-se por Brigantia, chama-se por Bel. Vêm os Córios e vai-se afugentando a época escura.

A Soberana guia o Entroido com os seus atributos positivos e fai que, precisamente, acedamos a uma nova época. Eis a raiz da palavra Entroido (ou Entrudo), uma entrada a um tempo alegre que em muitos lugares começa já pouco depois de passado o Solstício de Inverno, mas nada a ver com o “carnavalesco” grosseiro, completamente alheio à nossa tradição [1][2][3][4]. Brigantia assegura então este trânsito e garante a promessa de renascença feita no solstício. Ela será quem acorde depois o refulgente Deus Bel.

O ano já há tempo que começou, mas agora Brigantia e o ciclo da natureza começam a nos premiar de forma especial pela nossa resiliência. Tudo vira em torno ao Imbolc a partir destes momentos (do velho céltico i mbolg, “no saco” ou “na barriga”), este embigo da vida. Alviscamos a sua luz e ficamos confiantes: há que chegar ainda, mas já estamos quase. É tempo de alçarmos a cabeça e rirmos! 🙂

E na dança do teu mirar
Vejo castros, vejo o mar…
E nos beiços do teu Imbolc
Vejo a arder a lua, vejo gear o sol

Mileth (com grafia adaptada; reproduzido com permissão)

Tripla Deusa Brigantia, Senhora do Entroido (Imbolc). Detentora do fogo pois é protectora (entre outras) das ferreiras que forjam as armas, das poetas que apresentam lumes cerimoniais, e das sanadoras que facilitam o lume do lar. Brigantia fornece também pela criança nascente.

 

As cores

Abre-se o verde, racham as cores. Vai frio, mas também luz. Foto: R. Quintia (Facebook)

 

Gostas da IDG? Tu podes ajudar a que este trabalho continue – Do you like the IDG? You can help us continuing our work 🙂