Comunicado a Druidistas sobre a situaçom actual em relaçom ao “coronavirus”

A fortaleza dumha comunidade, o civismo dumha sociedade, revela-se quando os tempos nom som fáceis, e nada abana mais os alicerces do nosso ser individual e colectivo que o perigo percebido sobre a nossa própria saúde.
Aliás, aí revela-se tamém a dignidade pessoal de cada um e umha de nós.

As epidemias, pandemias ou crises de saúde pública nom som nada novo. Nom somos as primeiras nem seremos as últimas em defrontar algo como isto agora do “coronavirus” (COVID-19). Mesmo com toda a sua seriedade (que abofé a tem), nem é comparável a outros contextos passados.
E ainda assim, nos dias que vivemos de comunicaçom e informaçom instantânea, podemos assistir a um evento global a tempo real à vez que podemos calibrar, bem ou mal, as reacçons próprias e alheias.

Deste modo, a mesma tecnologia que nos comunica tamém fai com que o tal vírus se propague mais rapidamente, e com ele a possível paranoia. Ora bem, o alarme é justificado polas características da própria doença que nom imos entrar a analisar pois nom nos corresponde, fazendo desde já um chamamento a atendermos as recomendaçons das autoridades sanitárias.

Contudo, voltando ao efeito sobre nós, sim podemos reivindicar mais do que nunca que é precisamente agora quando tudo aquilo que defendemos como Druidistas (crentes na religiom druídica) ou amantes da cultura celta é válido; nom só válido, é fundamental.
Mais do que nunca as “Nove Regras de Conduta” devem ser observadas à risca, primando a solidariedade e a protecçom do grupo sobre o egoísmo, velando pola justiça e com o sentidinho a guiar.

Assim, desde a IDG fazemos um especial chamado a:

  • Ficar na casa agás casos de verdadeira necessidade.
  • Cuidar da higiene com um frequente lavado de maos, uso de desinfectantes, etc, ajudando assim tamém a cuidar de toda pessoa com a que encontremos e proteger os grupos de risco.
  • Nom comprar de forma absurda e indiscriminada nem comida nem outros bens, pois nem vai haver escassez nem se aguarda que vaia haver.
    Arrasando lojas e supermercados só estamos colocando ainda mais pressom sobre quem lá trabalha arriscando o seu bem-estar por nós e privando desses alimentos e bens a outras pessoas.
  • Assistir na distância a pessoas com condiçons psicológicas várias. Umha mensagem ou um telefonema podem ser um bálsamo.
  • Cuidar das nossas mascotes e animais, sabendo que nem podem contagiar-se do vírus nem podem transmiti-lo. Som simples espectadores inocentes neste remoinho.
  • Aproveitar a situaçom para focarmos no realmente essencial na nossa vida e recuperarmos o cerne da nossa coexom. Pode nom haver contacto físico durante uns dias mas certamente pode haver muito calor humano.
  • Aproveitar a situaçom para educar as crianças e jovens nestes valores todos. Este é um caldeiro de forja.

É certo que medramos e fumos educados numha sociedade capitalista doente que no geral só nos ensinou a pensar em nós mesmas, ou em nós primeiro, mas se tantas vezes enchemos a boca com mudarmos esse sistema, a mudança bem pode começar aqui, neste intre, com o nosso agir a cada momento.

Se falharmos quando fai falta, falhamos na essência, falharemos sempre, e nom haverá ritual nem bons propósitos em dias de luz e festa que elimine essa desonra. Lembrade, só temos medo “ao céu cair sobre as nossas cabeças”… e o céu continua fixo lá acima!

Ficade com calma, pois nisto estamos todos e todas e isto passará. Haverá tempo de revisar que fijo cada quem mais à frente, nomeadamente algumhas personalidades políticas claramente confundidas e irresponsáveis, e nom esqueceremos os abusos de poder. A doença nom deveria afectar à nossa memória futura.

Como religiosos confiamos no Deus Endovélico /|\ e na sua ajuda e inspiraçom sobre todos esses homens e mulheres do mundo da medicina que trabalham connosco e para nós. Força!
E força tamém para todas aquelas pessoas que mantenhem os demais serviços básicos em marcha. Bem haja!

Finalmente, indicar que o próximo grande encontro da IDG do festival de Maios (Beltaine) em Pitões das Júnias (Montalegre), que ia ser anunciado para o primeiro fim de semana de Maio, fica adiado. Celebraremos umha juntança quando isto acabar. Iremos informando.

Nunca choveu que nom escampara.

Irmandade Druídica Galaica

PS. A IDG fica “aberta” por via telemática (redes sociais ou correio-e) para qualquer consulta, pedido de ajuda, acompanhamento espiritual, etc.

A via da Caminhante

Ritual de Magusto (2011), aberto ao público em geral.
Ritual de Magusto (2011), aberto ao público em geral.

Frequentemente pergunta-se-nos como é que se pode entrar a formar parte da IDG, indo além do individualismo e fortalecendo um projecto comum. Isto é, como virar Caminhante.

Antes de mais nada, o que é um ou uma Caminhante? É umha pessoa que ingressa na estrutura da Irmandade Druídica Galaica adquirindo um decidido compromisso pessoal e prático – maos à obra – na ajuda activa à IDG e no que esta defende.

Por exemplo, um ou umha Druidista (Crente) é qualquer pessoa que acredite na Druidaria e concorde com a focagem e ideias da IDG, isto é, pode ser alguém anónimo simplesmente a ler estas linhas… E a IDG sempre tentará, dentro das suas possibilidades, estender a sua ajuda e serviços a estes Druidistas de forma desinteressada. Mas a figura do Caminhante é diferente, pois esta pessoa pergunta-se “Como posso eu ajudar à Irmandade?”.

Assim, pode haver Druidistas que decidam encarar esse compromisso e darem esse passo. Contudo, recomenda-se ler com muita atençom a secçom de filiaçom antes disso, entendendo que a figura de Caminhante é umha figura voluntária nom-iniciada (nom implica em absoluto nenhum tipo de aspecto sacerdotal) e que, tamém, umha vez solicitada a inscriçom esta pode ser recusada ou condicionada sem mais explicaçom. Por exemplo, um requisito nesta altura é que nalgum momento do processo deve haver um encontro real com a pessoa candidata.

 

PD. Na IDG nom existem quotas para membros nem tarifas polos nossos serviços religiosos. As nossas despesas som cobertas unicamente através de doaçons voluntárias e algum material à venda.