Do you speak English?

Are you fluent in English? Can you read Galician? If that’s the case we’d love you to help us 🙂

We are looking for volunteers(*) with excellent English language skills (native speakers or with full proficiency) to help us translate a number of our texts from Galician-Portuguese into English. We aim to substantially expand our collection of texts in English.

There will be no deadlines, but you will have to commit to do the piece(s) assigned to you within reason.

Do contact us for more details 🙂

(*) We’re afraid this is 100% volunteer work, where all we can offer is our most sincere thanks.

 

[GL] Dominas a língua inglesa? Entendes o galego? Se esse é o caso, ou conheces alguém com esse perfil, adoraríamos a tua ajuda 🙂

Estamos à procura de voluntários/as(*) com um nível excelente em inglês (falantes nativas ou com domínio absoluto) para nos ajudarem na traduçom dalguns dos nossos textos do galego ao inglês. O nosso objectivo é expandir substancialmente a nossa colecçom de textos em inglês.

Nom haverá prazos nem datas limite, mas sim pedimos compromisso sério em fazer a(s) peça(s) correspondentes dentro do razoável.

Contacta connosco para mais detalhes 🙂

(*) Muito nos tememos que isto é 100% voluntário, onde tudo o que podemos oferecer é o nosso mais sincero agradecimento.

Anúncios

Dia de orgulho, e combate

Defender o nosso não é delito.
Defender o nosso não é delito

O 17 de Maio deveria ser  um dia de festa na nossa Terra. É até feriado oficial, mas os galegos e galegas bem sabemos que nom é dia de festa. Cada vez mais, este é um dia para lançarmos um berro colectivo na luta pelas nossas tradiçons, cultura e, claro está, língua. Nom deixa de ser o Dia das Letras Galegas.

A IDG lembra que um dos seus principais deveres e prioridades vira arredor da defesa contra todo ataque e agressão sofrida, directa ou indirectamente, física ou virtualmente, literalmente sobre a Terra ou sobre o seu património material e imaterial, onde se encontra a língua, gravemente ameaçada a cada dia que passa.

Este ano engade-se o insulto do juízo a 12 pessoas cujo “delito” foi a defesa activa do seu idioma perante organizaçons e posicionamentos integristas na contra. A história e a campanha circula por toda parte e anima-se a partilhar em redes sociais com o marcador #8f45anos.

Desde a IDG, a nossa mais profunda solidariedade com todos e todas.

É logo a nossa língua um veículo secular de identificaçom colectiva e o elemento em torno ao qual vira grande parte da nossa identidade contemporânea como Povo. É a única língua na que, por exemplo, a IDG realiza os seus ritos, sendo a única língua consequente na prática da Druidaria na Galiza.

A nossa cultura esvai-se à nossa frente e há umha série de compromissos druídicos que nom nos permitem deixar passar isto por alto, nomeadamente o Compromisso com as Raízes, o Compromisso com a Liberdade, o Compromisso com a Independência, o Compromisso com o Conhecimento e o Compromisso com a Verdade.

Assim, a IDG insiste no facto de a Druidaria nom ser uma religiom contemplativa ou passiva, embora o proselitismo religioso sim estiver proibido. Longe disso, o compromisso dum Druida ou Druidesa ou qualquer Caminhante é com o seu Clã, com a sua defesa total, sempre com Honorabilidade e Justiça. A Druidaria nom anula vontades nem individualidades, antes o contrário, o Clã é a uniom de indivíduos livres e determinados, com ideias e convicçons fortes e meditadas, mas que som capazes de pôr essas virtudes ao serviço da Comunidade. Hoje o Clã da IDG revela-se como a Galiza toda, a Treba Mór de todas nós.

Animamos finalmente a tomardes parte – baixo os auspícios de Bel – nas concentraçons e manifestaçons que no 17 de Maio vam sair à rua nas cidades do País. Abofé que membros da IDG estarám presentes (a título individual e pessoal), e ham continuar estando.

Um Povo vivo, uma esperança de futuro.
Um Povo vivo, uma esperança de futuro. Que os lumes de Bel queimem e desfagam toda injustiça.

 

Gostas da IDG? Tu podes ajudar a que este trabalho continue – Do you like the IDG? You can help us continuing our work 🙂

Crescendo no nosso

Como já aconteceu no passado mês de Janeiro, a IDG soma-se à convocatória de manifestação popular pelo galego, convocada por diversos colectivos esta vez arredor da emblemática data do Dia das Letras Galegas, 17 de Maio, o principal dia de celebração e reivindicação pública e simbólica da nossa cultura, o nosso particular Eisteddfod. bl2013

A IDG ratifica, porém, o apontado anteriormente ainda com mais força, já que (repete-se):

“A IDG tem como um dos seus principais deveres e prioridades … a defesa contra todo ataque e agressão sofrida, directa ou indirectamente, física ou virtualmente, literalmente sobre a Terra ou sobre o seu património material e imaterial, onde se encontra a língua, tristemente em risco de desaparição por causas alheias aos galegos e galegas de nação.

É a nossa língua um veículo secular de identificação colectiva e o elemento em torno ao qual vira grande parte da nossa identidade como Povo. É assim mesmo quando o nosso território original mantém-se artificialmente dividido, separando-nos e criando uma falsa (por subjectiva) sensação de afastamento. Eis então um dos motivos pelos quais a IDG apoia em concreto o denominado ‘Bloco Laranja‘ ou ‘reintegracionista‘ [17-M], além das óbvias razões filológicas.”

Igualmente, a IDG insiste no facto de a Druidaria não ser uma religião contemplativa ou passiva. Entre outros aspectos, a responsabilidade pessoal e o bem comum entram em equilíbrio, mas só depois duma dinámica de trabalho honesto e justa luta. Assim, mais uma vez, a IDG fica vigilante às agressões contra o Povo Galego, provenham de onde provenham, internas ou externas, sejam em forma de desfeita ambiental, violência física ou estrutural, destruição patrimonial ou etnocídio cultural.

Por tudo isto, a IDG adere de forma unilateral e autónoma ao denominado ‘Bloco Laranja’, fazendo boas outra vez todas as palavras escritas para a anterior ocasião.

Convidamos também a seguir o evento criado em Facebook pela organização promotora, a Fundaçom Artábria.