Posts Tagged ‘Galiza’

Magusto: the Samhain from Gallaecia

[EN] This is a revised version of a text by Hugo Da Nóbrega Dias, originally published in ‘Celtic Guide’ (Nov. 2013). It is reproduced here with permission from the author, whom we kindly thank. You can download it in pdf >here (162kB)<

[GL-PT] Esta é uma versão revisada dum texto de Hugo da Nóbrega Dias, publicado originalmente em ‘Celtic Guide’ (Nov. 2013). É reproduzido aqui com permissão do autor, a quem agradecemos gentilmente. Pode baixá-lo em pdf >aqui (162kB)<

I had always had a certain reluctance in accepting Halloween entering our lives. It is a tradition that we use to link with the USA, with the carved pumpkins and horror costumes, so popularised in the films. This all reached us when shops started to adopt Halloween paraphernalia in their decorations. They found there a new business opportunity that filled the gap between Summer and Christmas. Yet, when we were children, the night of October 31st was always known as ‘Night of the Witches’, and I remember waiting in vain until midnight in the hope of glimpsing some witch crossing the sky on her broom.

magusto_galaicoThe truth is that the way Halloween was aggressively introduced and promoted also contributed to that reluctance of mine. Plus, we already had our traditional Magusto (festivity where people gather to eat chestnuts and drink wine), which is normally celebrated from November 1st. Why would I bother with Halloween? There I was, in fact, unconsciously neglecting the lack of studies of our own traditions. It was only when I became an adult that I started to get myself interested in Celtic studies and, in the same way, in the traditions of my own region, Northern Portugal. It was with great amazement that, years later, I found an old black and white picture of an old lady with two boys, sitting on a chair holding a carved pumpkin on her knees. Before that I had only heard some reports and read some odd texts explaining an ancient tradition, linked to the rest of the Celtic world, more embedded in our culture than one might think.

As a matter of fact, north of river Minho, in the land that is nowadays known as Galiza (Galicia), this way of celebrating the night of October 31st was kept alive in some villages. The tradition of carving pumpkins is something that elders remember doing “from long time ago”. In those villages, many people thought of it as being connected to other Celtic countries, and not just to our own land, as those traditions were alive and uninterrupted for centuries.

October 31st – Samhain – was the end of the Celtic year, when the world of the dead and the world of the living would come together. People used to believe (and some still do) that the souls of the dead could walk in our world. It was the time to celebrate the new year with a big dinner, laughters, friends and family, but it was also the time to conduct religious rites that would allow us to communicate with the Beyond, and have a chat with the loved ones who are no longer among us. Hence, derived from the “headhunting” Celtic custom, skulls were to be lit up with candles, both to protect the living from the evil spirits and to illuminate the path of the good spirits. Those skulls would be left at crossroads, gates, windows or doors, marking and indicating thresholds, passageways. In time, skulls were replaced with turnips and eventually pumpkins.

Over the years, I have been collecting testimonies about a not so distant past. One of these stories happened in Ílhavo, close to Aveiro, home to sailors. In a special cultural event promoted by local authorities, residents were invited to open their houses to visitors so everybody could socialise and get to know the way these people lived. On that occasion, my most kind and hospitable hosts were people from the historic centre of the village. Then Mr. Mário told me, among many other things, about the time when he was young, 30 or 40 years ago, when people in the neighbourhood used to fill those same streets with carved pumpkins for Samhain. I was astonished. Also, in conversations with my father and mother and with other relatives – all from old Gallaecia – I found out that they all had childhood memories of carving pumpkins for the night of October 31st and that they would all gather to eat chestnuts, sausages and to drink wine. One can only imagine the number of people with similar stories to tell and share.

Thus, although the tradition of the carved pumpkins was mostly forgotten in Galicia and Northern Portugal during the 20thC, we can see that from a historical point of view the norm was to celebrate Samhain as done in other Celtic countries, or in the USA by influence of the Irish who emigrated there. Not only that, other significant elements associated to the date such as the respect and reverence for the dead, had always been present. In addition, our tradition offers something of its own, the chestnuts, allegedly said to be a favourite meal in the Beyond! Whether or not this last aspect was common in other countries is a different story. In any case, this was the moment when families and communities harvested and gathered the very last produce given by the land before winter, call it wine, pumpkins or chestnuts. This was the transition from the luminous part of the year (summer) to the dark part of the year (winter), and they celebrated it accordingly, getting ready for some harsh weather but with the confidence it would all pass in the end.

It sure is paradoxical, and somewhat ironic, that it was through commercialism that an old tradition was recovered in our country. It sure made many think we were importing yet another new foreign fad, only to discover it was ours all along. It may even annoy us now how American Halloween “twists” the “true” meaning of Irish Samhain, or Galician-Portuguese Magusto. That is however a good sign, as it evidences how we have rediscovered and accepted a part of our own beautiful ancient heritage.

*.pdf (162kB)

– A (CC) 3.0 license applies, where it is permitted to share this text if source is cited, but it is forbidden to alter, re-adapt or use it for commercial purposes.

– Aplica-se uma licença (CC) 3.0, pela qual é permitido partilhar este texto sempre que se citar a fonte, mas é proibido alterá-lo, readaptá-lo ou usá-lo com fins comerciais.

Click here for more information about the IDG in English.

A Terra que nos sustenta

Celebramos outro ano o Dia Nacional da Galiza, o Dia da Pátria, o Dia de Todas e Todos Nós, a simbólica celebração da Terra que nos acovilha, sustenta e dá sentido, a que nos ensinou a estar no mundo.

Hoje unimos-nos à louvança do cenário único onde os nossos devanceiros e devanceiras viraram galegos e galegas. Hoje honramos – é preceito da Druidaria – a quem nos precedeu para podermos estar aqui agora e sermos quem somos.

Hoje celebramos o bom da Terra e da nossa cultura e identidade, e reforçamos a nossa vontade em erradicar tudo aquilo que lhe aflige e dana, com uma soa voz.

Muito especialmente, dos Nove Compromissos presentes na nossa religião hoje o Compromisso com as Raízes, com a Liberdade e com a Independência revelam-se fulcrais em múltiplos sentidos. Fai-se, aliás, um chamamento especial a galegos e galegas em relação a um dos princípios básicos da IDG, que é o da defesa da Terra, pois os tempos que vivemos vem como continua a perigar a sua essência, e a do nosso Povo.

Chega então o momento de enchermos as ruas, fachendosos de nós, cantando o nosso amor pelos “bons e generosos” e nojo pelos “imbecis e escuros”, construindo a berros se for preciso.

Hoje não pode faltar uma insígnia do País em cada casa, em cada recanto, como símbolo comunitário de união e determinação do mais grande Clã.

Sintamos no abeiro da Cailleach a ligação em sagrado pacto à espinha do Dragão. Celebremos!

Bom dia da Galiza!

“Hoje as campás de Compostela anunciam uma festa étnica, filha, talvez, dum culto panteísta, anterior ao cristianismo, que tem por altar a Terra Nai, alçada simbolicamente no Pico Sacro; por cobertura o fanal imenso do Universo; e por candeeiro votivo, o Sol ardente de Julho” (A.D.R. Castelao, Alba de Glória, 1948)

 

NOTA: Esta celebração não-religiosa é de cumprimento voluntário para Caminhantes não-galegos/as mas sim de observância para galegos/as. Iniciados/as na IDG têm deveres específicos para este Dia.

Um evento único na nossa terra

V JornadasGalegoPortuguesasDefinitivo

Clicar na imagem para alargar e ver detalhes.

[Actualização: Uma vez passadas as Jornadas, cá está uma crónica da mão dos amigos e amigas do DTS (12/04/16)]

Só faltam uns dias para as V Jornadas das Letras Galego-Portuguesas (2-3 Abril) que, como no ano passado, contam com o apoio e colaboração da IDG.

Numa nova edição organizada pelo colectivo amigo Desperta do Teu Sono, a Junta de Freguesia de Pitões das Júnias e outros (ver imagem), teremos a imensa fortuna de contar com o Prof. Francesco Benozzo (entrevista a não perder na ligação), um dos grandes investigadores internacionais da nossa Terra e cultura e candidato a Prémio Nobel, além doutros participantes de muito alto nível.

Aliás, esta será uma boa oportunidade de encontro para todas aquelas pessoas interessadas em estabelecer um contacto “real” com a IDG, seja por vontade de mais informação ou por considerarem um possível ingresso na Irmandade, o qual requer sempre um contacto pessoal nalguma altura. Será a primeira presença pública da IDG desde o passado Magusto.

Reproduzimos pois o programa completo deste evento totalmente aberto e gratuito, para desfrute de quem quiser e puder passar por Pitões das Júnias este próximo fim de semana, sem mais:

 

Sábado 2 Abril

10h Abertura, com o Sr Dr. Orlando Alves (Presidente da Câmara de Montalegre), a Sra Dra. Lúcia Jorge (Presidente da Junta de Freguesia de Pitões) e o Sr Dr. José Barbosa (A.C. Desperta do Teu Sono).

10h30 Sr Dr. Marcial Tenreiro (Univ. da Corunha): A lança na água e a espada na pedra. Rito e território entre germanos e celtas.

11h15 Sr Dr. Marcos Celeiro (A.C. O Iríbio): A evolução da ‘Cruz Celta’ até o dia de hoje.

12h Sessão de perguntas e debate, moderado pela Sra Doutora Maria Dovigo (Academia Galega da Língua Portuguesa).

16h30 Prof. Doutor Francesco Benozzo (Univ. de Bolonha, Itália): Uma paisagem atlântica pré-histórica. Etno-génese e etno-filologia paleo-mesolítica das tradições galegas e portuguesas. [esta intervenção será em inglês com tradução simultânea]

17h15 Sessão de perguntas e debate (Maria Dovigo).

18h30 Actuação musical: 2naFronteira +convidados.

20h Jantar/Churrasco popular.

22h Programa Erasmus: “Adventure of Reading”, Folião e Gaiteiros de Pitões

 

Domingo 3 Abril

10h Sr Graciliano Barros: Ourivesaria e arte céltica no S. XXI no NO peninsular.

10h45 Prof. Doutor José Rodrigues (Univ. Lusíada Porto): A raiz celta dos ordálios medievais.

11h15 Debate e conclusões (Lúcia Jorge e Maria Dovigo).

13h30 Encerramento das Jornadas.

16h Visita comentada a Pitões das Júnias: EcoMuseu, Mosteiro e Cascata (a pé).

 

[Actualização: Uma vez passadas as Jornadas, cá está uma crónica da mão dos amigos e amigas do DTS (12/04/16)]

Um Dia de Nosso

Celebramos outro ano o Dia Nacional da Galiza, o Dia da Pátria, o Dia de Todas e Todos Nós, a simbólica celebração da Terra que nos acovilha, sustenta e dá sentido, a que nos ensinou a estar no mundo.

Hoje unimos-nos à louvança do cenário único onde os nossos devanceiros e devanceiras viraram galegos e galegas. Hoje honramos – é preceito da Druidaria – a quem nos precedeu para podermos estar aqui agora e sermos quem somos.

Hoje celebramos o bom da Terra e da nossa cultura e identidade, e reforçamos a nossa vontade em erradicar tudo aquilo que lhe aflige e dana, com uma soa voz.

Muito especialmente, dos Nove Compromissos presentes na nossa religião hoje o Compromisso com as Raízes, com a Liberdade e com a Independência revelam-se fulcrais em múltiplos sentidos. Fai-se, aliás, um chamamento especial a galegos e galegas em relação a um dos princípios básicos da IDG, que é o da defesa da Terra, pois os tempos que vivemos vem como continua a perigar a sua essência, e a do nosso Povo.

Chega então o momento de enchermos as ruas, fachendosos de nós, cantando o nosso amor pelos “bons e generosos” e nojo pelos “imbecis e escuros”, construindo a berros se for preciso.

Hoje não pode faltar uma insígnia do País em cada casa, em cada recanto, como símbolo comunitário de união e determinação do mais grande Clã.

Sintamos no abeiro da Cailleach a ligação em sagrado pacto à espinha do Dragão. Celebremos!

Bom dia da Galiza!

“Hoje as campás de Compostela anunciam uma festa étnica, filha, talvez, dum culto panteísta, anterior ao cristianismo, que tem por altar a Terra Nai, alçada simbolicamente no Pico Sacro; por cobertura o fanal imenso do Universo; e por candeeiro votivo, o Sol ardente de Julho” (A.D.R. Castelao, Alba de Glória, 1948)

 

Esta celebração é de cumprimento voluntário para Caminhantes não-galegos/as mas sim de observância para galegos/as. Iniciados/as na IDG têm deveres específicos para este Dia.

Todas as palavras são poucas

O rural, fonte de cultura

O rural, fonte de cultura (vista geral de Pitões das Júnias)

Já de volta das IV Jornadas das Letras Galego-Portuguesas, um simples “obrigado” não chega para expressar as nossas sensações, emoções, e agradecimento às e aos organizadores (colectivo Desperta do Teu Sono e Junta de Freguesia de Pitões das Júnias-Concelho de Montalegre) e outras entidades apoiantes, assim como a todos e todas as assistentes, palestrantes e o povo de Pitões.

Em verdade, estes dias marcam um lindo convívio e um debate ao mais alto nível, absolutamente único na nossa terra. Assim também, as actas das edições anteriores (recém saídas do prelo e já disponíveis para o público), constituem de facto um resumo das mais avançadas e actualizadas investigações sobre o celtismo galaico, relações transfronteiriças e cultura galega-portuguesa dos últimos anos.

Foi uma honra para a IDG poder estar nesse lugar maravilhoso, aprendendo muito e até colaborando com um relatório. Foi, abofé, uma honra partilhar muitos bons momentos e risos com tanta boa gente. Pois é, não seria céltico realizar uma juntança, por muito sério que for o tema, sem um bocado de humor e uns bons “banquetes rituais”!

A quem não pudera acudir dizer só que nós mesmas debecemos já por umas quintas jornadas, mas se calhar antes disso pode haver ainda outras actividades… Ficade atent*s!

Mais outra vez: Bem haja! /|\

Leia aqui a crónica institucional, e aqui a de Desperta do Teu Sono. Ainda, um lindo texto sobre as jornadas e reflexões pessoais de uma das palestrantes.

PD. Disponibilizamos imagens da época de Maios, incluídas algumas fotografias destas Jornadas, através do nosso perfil no Facebook.

As jornadas mais galaicas do ano

Cartaz_2015_DTS

Cartaz oficial das IV Jornadas (2015)

Apresentamos o programa definitivo das IV Jornadas das Letras Galego-Portuguesas, no 30 e 31 deste mês em Pitões das Júnias (Montalegre). É com muito orgulho que a IDG apoia este evento, organizado pelo colectivo amigo Desperta do Teu Sono, prolongando dalguma maneira a temporada festiva dos Maios.

Falamos sempre da importância da acção, prática, tomando esta a forma que for, quando e como for possível. Esta é para a IDG, porém, mais uma oportunidade de o demonstrar, participando activamente numa iniciativa que, achamos, traz ao público um debate fundamental para o futuro da Galécia.

A Druidaria não é uma religião simplesmente contemplativa ou solitária, mas requer uma implicação real com o Povo e a Comunidade que diz servir.

As jornadas fazem assim quatro anos de crescente sucesso, sempre centradas em temas de etnografia, antropologia, arqueologia, sociologia, história, geografia, língua, e muitos outros aspectos da nossa antiga cultura comum a norte e sul da “raia”. Neste tempo, estes encontros viraram num autêntico – quase único – foro de debate aberto sobre questões que doutra forma ficariam forçosamente no esquecimento oficial.

Nesta ocasião, como nas anteriores, haverá palestrantes e actividades do mais alto nível. Em detalhe:

 

30 de Maio, Sábado

10h00 Abertura das IV Jornadas das Letras Galego-Portuguesas em Pitões.

– Lúcia Jorge. Presidente da Junta de Freguesia de Pitões das Júnias.

– Orlando Alves. Presidente da Câmara Municipal de Montalegre.

– José Manuel Barbosa. Desperta do Teu Sono.

 

10h30 1º Painel. Moderador: José Manuel Barbosa (DTS).

10h30 Monica O’Reilly: “Myth and Identity. Leabhar Gabhála Éireann: Construction and de-construction of Irish, Galician and Portuguese Gaelic narrative” [com tradução simultânea].

11h30 Xoán M. Paredes: “Sobrevivências da antiga religião galaica e concomitâncias na Europa Atlântica”.

12h30 Marcial Tenreiro: “Mito, realidade e território. Para uma etno-arqueologia jurídica na céltica peninsular”.

13h30 Almoço.

 

16h00 2º Painel. Moderadora: Kátia Pereira (Eco-Museu do Barroso).

16h30 Filme “Cemraiost’abram”, de Mónica Baptista.

17h00 Rafael Quintia (SAGA): Apresentação das Actas das Jornadas dos anos passados.

18h00 Livre.

 

31 de Maio, Domingo

10h00 3º Painel. Moderador: David Teixeira (Vice-Presidente da Câmara Municipal de Montalegre).

10h00 Maria Dovigo: “Lei estranha do herdo. Presença da avó na poesia galega contemporânea. As elegias de Joana Torres”.

11h00 Hugo da Nóbrega: “Identidade toponímica do Norte de Portugal e localização do nome da Gallaecia”.

12h00 Conclusões e postas em comum.

13h00 Almoço.

 

Encerramento

16h00 Visita turística por Pitões das Júnias.

– Visita ao Mosteiro de Pitões das Júnias.

– Visita à Cascata.

– Visita ao Eco-Museu, onde se vai expor a panóplia guerreira dos soldados galaicos por parte do grupo Oinakos Brakaron.

 

O evento está organizado pelo colectivo Desperta do Teu Sono, com a Junta de Freguesia de Pitões das Júnias. Conta também com o apoio e colaboração da Câmara Municipal de Montalegre, Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP), Associaçom Galega da Língua (AGAL), Sociedade Antropológica Galega (SAGA), Eco-Museu do Barroso, grupo de recriação histórica Oinakos Brakaron, Gaiteiros de Pitões das Júnias, e esta vossa Irmandade Druídica Galaica (IDG).

A assistência é totalmente livre e gratuita. Contudo, quem quiser estar em Pitões nesses dias é melhor que reserve comidas e dormidas nos (poucos) estabelecimentos do lugar, ou que procure nas proximidades. A maravilhosa aldeia entre as montanhas galaicas é pequena, e as assistentes bastantes.

Teoria e prática da cultura

Tripla escada helicoidal, no Museu do Povo Galego, numa mistura de arquitectura e simbologia ancestral.

Tripla escada helicoidal, no Museu do Povo Galego, numa mistura de arquitectura (S. XVII) e simbologia ancestral.

Vem de se realizar na cidade de Ponte Vedra o “Culturgal“, ou grande feira da Cultura Galega, com um grande sucesso apesar de todas as dificuldades e o panorama pessimista que defronta a nossa cultura. Mas, o que é isso da cultura para nós, crentes druídicas? Vejamo-lo de forma muito breve.

A cultura (desde a música até a língua, passando por tudo o demais) e não só o legado dum povo, mas o elo de união de todos os seus integrantes através da história. Que seríamos como humanos sem essa continuidade? Onde ficaria o princípio druídico básico e inescusável da honra e respeito pelos devanceiros e devanceiras? Ou um dos Nove Compromissos druídicos, como é o Compromisso com as Raízes?

A desaparição forçada e acelerada da nossa cultura – como foi o caso desde o S. XX para a Galiza – implica uma série de desajustes sociais e psicológicos bem tangíveis e sérios que dificultam, por exemplo e para dar um caso muito prático, a auto-organização política e territorial, que leva a (mais exemplos) o deterioro ambiental, pobreza relativa estrutural, etc.

É dizer, todo colectivo humano não consciente do seu passado e que não compreenda, embora seja de forma elementar o por quê dos seus hábitos e costumes, está destinado a um mau fim.

O orgulho pela cultura própria deve ser entendido, pois, nesse conhecimento e nessa adaptação das tradições e saber acumulado ao mundo que vivemos, para conduzi-lo onde queremos, como sabemos, como a nossa única forma digna de estarmos nesse mundo.

Noutros lugares talvez não precisem relembrar o passado, nós por desgraça sim, assim como colocá-lo em valor.

E repetimos, a cultura é algo muito abrangente, desde a forma de habitar o espaço físico que vivemos à língua que falamos, e isso é o que está a perder o nosso Povo sem escolha consciente. Não fiquem nunca unicamente com o aspecto “folclorista” ou “nostálgico”.

Porém, estudemos a nossa história, viajemos pela nossa geografia, conheçamos as nossas gentes, falemos a nossa língua, vivamos e partilhemos a nossa cultura com o mundo e fiquemos sendo melhores pessoas. Exija-mos ser 100% galegos e galegas sem complexos, em toda parte, a todas horas, todos os dias do ano.