O perigo dos argalheiros. Cuidado com o ‘celtismo de feira’

Hai pouco tempo foi-nos remetido um perfil dumha auto-denominada “primera Hermandad celta en Galicia” [sic], algo sobre o qual os nossos clássicos do século XIX e princípios do XX seguramente teriam algo a comentar.

Após umhas simples verificaçons desta tal “Cueva de Lobos – Hermandad Celta” que parece operar desde a cidade de Compostela, observamos umha série de problemas muito graves.

Antes de mais nada, desejamos clarificar que nom entramos nem entraremos nunca na liberdade de todo indivíduo a crer no que queira e fazer com o seu tempo e dinheiro o que considere.
Igualmente, nunca tivemos nem teremos problemas com grupos meramente recriacionistas ou actores profissionais que assim se definam de forma inequívoca, pois nom se estám adjudicando umha categoria que nom lhes pertence levando a terceiras pessoas a umha possível confusom.

Mas devemos, precisamente pola obriga dos nossos próprios princípios, fazer notar que:

O título de “sacerdote celta” (conhecido como Druida, pois ser “sacerdote celta” é, por definiçom, ser Druida/Druidesa) deve responder a umha iniciaçom através dumha ordem reconhecida ou a um eventual reconhecimento externo por parte doutras ordens já bem estabelecidas e de trajetória clara.
Quer dizer, igual que alguém nom pode afirmar-se sacerdote católico ou monge budista só polo seu capricho, tampouco tem validade proclamar-se “sacerdote celta” sem mais.
Assim as ordens, irmandades ou grupos druídicos sérios podem, logicamente, organizar obradoiros, cursos ou actividades regradas na ajuda ao auto-sustentamento da comunidade, mas sempre sem fins lucrativos e sem enganos.
Tamém é altamente questionável a utilizaçom do termo “Hermandad” neste contexto religioso e espiritual, quando se trata dum evidente esquema unipessoal, sem estrutura nem validaçom por parte doutras organizaçons.

Criticamos energicamente, logo, o fraudulento uso do título de “sacerdote” em relaçom à nossa religiom (celta) por parte de um indivíduo para o seu negócio privativo.

Além disto, umha vez esta pessoa se define como “sacerdote celta”, demonstra a sua ignorância completa sobre as crenças e tradiçom celta pois (a maneira de exemplo e tomando como referência alguns dos seus pontos):

– Nom hai nada na Druidaria (‘Druidismo’ – sistema de crenças celtas ou religiom celta) que justifique o uso da palavra “chaman” ou “chamanismo” [sic], muito menos em território galaico, como se fai neste perfil a modo de reclamo.
– As runas som de cultura germânica, nom celta. Nom tenhem absolutamente nada a ver com a Druidaria ou com a Galiza, igual que o moderno “tarot” que tamém se oferece como serviço de adivinhaçom.
– A Druidaria, as crenças celtas tradicionais, nom contemplam os “quatro elementos” (a Wicca Céltica sim, mas tampouco é Druidaria, como os e as Wiccanas bem sabem).
De facto, como é habitual nestes casos de pessoas com escassa ou nula formaçom, confunde e mistura sem sentido conceitos e ideias da Wicca, Asatrú (Odinismo) e Druidaria, apelando ao “paganismo” (termo nele mesmo polémico) num ‘vale tudo’ caótico.

Aliás, existem inúmeros erros terminológicos e históricos, como identificar a Gália com o conjunto de terras celtas, atrapalhar-se com a cronologia e geografia da cultura celta, misturar celtismo e Druidaria com conceitos alheios como por exemplo o karma e darma orientais, confundir e revirar totalmente a cosmovisom céltica e, no geral, apelar a umha pseudo-filosofia New Age simplista que nom tem absolutamente nada a ver com a Druidaria.

Igualmente, os comentários de teor ético e moral produzidos nos textos e vídeos pouco encaixe tenhem com a Druidaria em geral (mesmo com as visons mais ecléticas), sem entrarmos sequer em juízos de valor que seriam extremamente duros.

A lista de incorreçons é simplesmente abismal. Em verdade, poderiam-se analisar negativamente quase todos os elementos presentes nesse perfil um a um.

Infelizmente isto nom é a primeira vez que acontece. Estamos já afeitas a determinadas personagens de características similares que umha e outra vez rapinam entre as esperanças da gente oferecendo beiçons a maos-cheias e mágicas soluçons rápidas num contexto totalmente fantasioso. É a farsa do ‘mercadeio esotérico’. Veja-se >aqui< um caso de tantos.

Isto tudo nom o di só a IDG(*) senom muitas outras ordens internacionais perfeitamente regularizadas que observam os mesmos estritos critérios.

Concluímos dizendo novamente que qualquer pessoa pode acreditar e fazer o que estime mais oportuno mas, como foi apontado, é o nosso imperativo expor estas informaçons e partilhar a nossa visom.

Felicitamos a este indivíduo, isso sim, polo seu aparente cuidado e carinho polos animais. Seja dito, pois o justo tamém é justo.

Saúde.

(*) A Irmandade Druídica Galaica (IDG) é o primeiro e único grupo druídico oficialmente legalizado perante notário e no Registo de Entidades Religiosas do Ministério de Justiça espanhol (no. 022549) e Agência Tributária em território galego.
No Estado Espanhol, só duas outras ordens druídicas figuram no R.E.R., nomeadamente a Hermandad Druida Dun Ailline e a Orden Druida Fintan, ambas na Catalunha.

NOTA (11 de Março 2019): Esta mensagem foi colocada primeiramente no perfil de Facebook da chamada “Cueva de Lobos” para poder favorecer umha reflexom pública. Porém, foi eliminada sem contriçom poucas horas depois, o que decidiu a esta IDG a reproduzi-la agora por outros meios. É infortunado, mas tem que ser feito.
(Tamém houvo umha resposta defensiva posterior pola sua parte no nosso perfil que foi eliminada poucas horas depois, apesar de mesmo termo-la respondido.)

NOTA 2 (12 Março 2019): Desde a emisom formal do comunicado e apoio doutras entidades, “Cueva de Lobos” já se desculpou, dalgumha maneira, no nosso perfil de Facebook e retirou toda referência “celta” no seu perfil, incluída a segunda parte do nome (“Hermandad Celta“).

NOTA 3, final (16 Março 2019): Agradecemos os comunicados de apoio emitidos polas outras duas ordens Druídicas legalizadas no Estado, HDDA e ODF, e ainda a tamém oficialmente inscrita no Registo de Entidades Religiosas “Religión Wicca Celtíbera“. Um grande bem haja!

Detalhe da publicidade do auto-denominado, e nom reconhecido, “sacerdote celta” 😦 (agora eliminada)
Anúncios

O calor do inverno, Entroido de Brigantia

Ousilhão (Vinhais, Bragança), 2018. Foto de A. Marín retirada dum perfil público Facebook.

No 1 de Fevereiro formaliza-se a segunda das quatro grandes celebraçons do ano celta, o Entroido (Imbolc), umha celebraçom de esperança e alegria fortemente vencelhada à Deusa Brigantia (Brighid ou Bride), a Deusa vitoriosa, principal representante da soberania feminina, exemplo perfeito das trindades druídicas na sua própria figura.

Na tradiçom galaica disque o Entroido (Entruido ou Entrudo) começou já o 1 de Janeiro (passados os fastos da Noite Nai) e ainda que é certo que nalguns lugares já levam dias preparando e até celebrando, será durante esta próxima época depois do 1 de Fevereiro na que se desenvolva em todas partes este festival percebido como purificaçom da terra e primeiro estímulo do crescimento, a preparaçom limiar da terra no futuro encontro com a primavera.

Vai-se cumprindo o anunciado triunfo sobre a escuridade que começou com o Ano Novo celta no Magusto (Samhain – 1 Novembro), num inverno que se bem ainda nom rematou tamém nom é quem de nos vencer quando bate mais duro, e Brigantia ajuda-nos com os seus atributos e ferramentas.

É o momento entom para a regeneraçom, para ajudarmos a terra, colocar os assuntos da casa em ordem, mesmo de fazer umha grande limpeza, fazer planos e “plantar” ideias. Muitos animais parem nestas datas e mesmo pode ser considerada como a festa dos bebés. Já diz o refraneiro galego que “no 2 de Fevereiro casam os passarinhos“.

Lembra-se, aliás, que o Rei ha renovar os votos com a Terra, na uniom de soberanos, o pacto sagrado entre o Ser Humano e as Deidades da mao de Brigantia. Como diz o antropólogo R. Quintia:

“[O Entroido galego é o] que melhor conserva o significado simbólico das vodas rituais que se celebravam em toda Europa no final de ciclo festivo da Invernia e a essência das sociedades de moços solteiros [Córios]”

A Deusa Brigantia – A Alta, A Elevada, A Tríplice Chama, Senhora da Soberania, portadora da água, da luz e Deusa do Fogo – toma três aspectos: como Lume da Inspiraçom (patrona da poesia, artes, filosofia e profecia), como Lume do Lar (patrona da medicina e fertilidade, de pastoras a agricultoras, protectora da casa com ajuda da Deusa Trebaruna) e como Lume da Forja (patrona da metalurgia, ferraria e artes marciais, grande guerreira).

A alegria
A alegria do Entroido tradicional: as cores racham o frio. Chama-se por Brigantia, chama-se por Bel. Venhem os Córios e vai-se afugentando a época escura.

A Soberana guia o Entroido com os seus atributos positivos e fai que, precisamente, acedamos a umha nova época. Eis a raiz da palavra Entroido, entrar, umha entrada a um tempo alegre que em muitos lugares começa já pouco depois de passado o Solstício de Inverno, mas nada a ver com o “carnavalesco” grosseiro, completamente alheio à nossa tradiçom. Brigantia assegura assim este trânsito e garante a promessa de renascença feita no solstício. Ela será quem acorde depois o refulgente Deus Bel.

O ano já há tempo que começou, mas agora Brigantia e o ciclo da natureza começam a nos premiar de forma especial pola nossa resiliência. Tudo vira em torno ao Imbolc a partir destes momentos (do velho céltico i mbolg, “no saco” ou “na barriga”), este embigo da vida. Alviscamos a sua luz e ficamos confiantes: há que chegar ainda, mas já estamos quase. É tempo de alçarmos a cabeça e rirmos! 🙂

E na dança do teu mirar
Vejo castros, vejo o mar…
E nos beiços do teu Imbolc
Vejo a arder a lua, vejo gear o sol

Mileth (com grafia adaptada; reproduzido com permissom)

Tripla Deusa Brigantia, Senhora do Entroido (Imbolc). Detentora do fogo pois é protectora (entre outras) das ferreiras que forjam as armas, das poetas que apresentam lumes cerimoniais, e das sanadoras que facilitam o lume do lar. Brigantia fornece tamém pola criança nascente.

 

As cores
Abre-se o verde, racham as cores. Vai frio, mas tamém luz. Foto: R. Quintia (Facebook)

 

Gostas da IDG? Tu podes ajudar a que este trabalho continue – Do you like the IDG? You can help us continuing our work 🙂

Do you speak English?

Are you fluent in English? Can you read Galician? If that’s the case we’d love you to help us 🙂

We are looking for volunteers(*) with excellent English language skills (native speakers or with full proficiency) to help us translate a number of our texts from Galician-Portuguese into English. We aim to substantially expand our collection of texts in English.

There will be no deadlines, but you will have to commit to do the piece(s) assigned to you within reason.

Do contact us for more details 🙂

(*) We’re afraid this is 100% volunteer work, where all we can offer is our most sincere thanks.

 

[GL] Dominas a língua inglesa? Entendes o galego? Se esse é o caso, ou conheces alguém com esse perfil, adoraríamos a tua ajuda 🙂

Estamos à procura de voluntários/as(*) com um nível excelente em inglês (falantes nativas ou com domínio absoluto) para nos ajudarem na traduçom dalguns dos nossos textos do galego ao inglês. O nosso objectivo é expandir substancialmente a nossa colecçom de textos em inglês.

Nom haverá prazos nem datas limite, mas sim pedimos compromisso sério em fazer a(s) peça(s) correspondentes dentro do razoável.

Contacta connosco para mais detalhes 🙂

(*) Muito nos tememos que isto é 100% voluntário, onde tudo o que podemos oferecer é o nosso mais sincero agradecimento.